A astrologia sobreviveu e floresceu. Por quê?



  

Porque parece conferir à nossa vida rotineira um significado cósmico, fingindo satisfazer nosso desejo de nos sentirmos irmanados com o Universo. A astrologia implica um perigoso fatalismo: se nossas vidas são governadas por um conjunto de sinais de trânsito celestes, por que tentar mudar algo?







Leia também:  O que regem as Casas VII, VIII e IX

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *