A figa é um amuleto universal, símbolo de proteção, usado em correntes, pulseiras, tornozeleiras, patuás e outros adereços, que tem a finalidade de proteger quem o carrega de todos os males espirituais.   

Muitas são as histórias acerca de suas origens, e uma delas é que na Grécia, ela era utilizada como amuleto sexual, onde crianças garantiam a fertilidade futura, e mulheres com problemas para engravidar apelavam para este símbolo, onde na época o polegar levantado representava o órgão masculino e o dedo indicador e médio em volta, o órgão feminino, como o próprio ato sexual.

Na Itália, ela teria além destes objetivos, o de se prevenir contra o mau-olhado.

No Brasil, além de todas estas finalidades, acreditava-se que um "gesto obsceno" poderia ludibriar o mal à nossa volta.

Em resumo, ela se proliferou por todo o mundo, e cada civilização se adaptou à seu modo, adicionando pitadas de sua cultura.  

Os materiais da figa podem ser os mais variados, e seu tamanho e cor acompanham a vontade do usuário. Pedra, cristal, madeira, vidro, pedra preciosa, prata, ouro e algumas outras matérias-primas formam o objeto usado para neutralizar o azar e as energias ruins, não apenas de quem usa em seu corpo, mas também em ambientes.  

Com o passar dos tempos, a figa caiu no gosto comum, e passou de objeto a roupas, grifes e material de estudo, após sua comprovada eficiência.

Ainda hoje, existem civilizações que passam uma figa de material específico de geração em geração, como triunfo e perpetuação da família.  

Como qualquer amuleto, a figa por si só não basta; é necessário possuir crença e fé verdadeira para que ela realmente atinja o seu objetivo, como uma lâmpada, que por simples pensamento consiga se iluminar, e favorece o encontro da saída correta. 

Por Ivi Izys


São objetos de referência e pontos de fé que ajudam quem os possuem a entrar em contato com o mundo espiritual e enigmático com o objetivo de proteção.

Existem vários tipos de amuletos como chaves, patuás, correntes, pingentes e centenas de outros. Por conhecimento universal, todas as civilizações, etnias, culturas e povos possuem seus próprios amuletos. Os Bruxos, por exemplo, usavam objetos fabricados por eles mesmos em suas viagens para fora de seus territórios, como uma segurança ou ponto de contato imediato com seu mundo oculto, para obterem sucesso e vantagens em todas as situações perante seus inimigos.  

Estes adereços podem ser visíveis ou muitas vezes imperceptíveis aos olhos carnais, e possuem modelos e tamanhos diferenciados.  

Todos os povos têm algum tipo de amuleto: na cultura xamânica ele pode ser encontrado de diversas formas, como cajados, colares, filtro dos sonhos, desenhos e pinturas no corpo. Para cada ocasião existe um modelo específico: na caça, colheita, rituais de cura, cerimônias tribais e em todos os instantes determinantes da tribo.

Existem também os amuletos permanentes, que são usados popularmente, como o crucifixo, figas, trevo de quatro folhas, pé de coelho, ferraduras, pimentas e diversos outros, que em geral tem por matéria-prima a prata.  

Amuletos, seja qual for o modelo, é mais uma maneira de se manter protegido. Adquira um que se identifique com sua personalidade e sinta a diferença.

Por Ivi Izys





CONTINUE NAVEGANDO: